Alergia alimentar - todo cuidado é pouco!



Apesar da vasta gama de alimentos que consumimos durante a vida, apenas um seleto grupo provoca alergias alimentares com alto risco de reações anafiláticas. “Cerca de 80% destas reações são desencadeadas por leite, ovo, soja, trigo, amendoim, castanhas, crustáceos e peixes” afirma a especialista Mônica Soares de Souza.


Cada alérgeno (proteína do alimento responsável pelas reações) possui características distintas e por isso a duração das alergias varia de acordo com o alimento em questão. “Alergias que se iniciam mais comumente na infância (leite, ovo, soja, trigo) apresentam maior probabilidade de desaparecer até a adolescência. Outros alimentos, como amendoim, castanhas, peixes e frutos do mar, são tipicamente persistentes e apenas uma ínfima parcela dos pacientes têm suas alergias curadas”, conta Mônica.


Os sintomas variam muito (manchas na pele, inchaço de olhos ou boca, diarreia, vômitos, entre outros) e são comuns também em outras doenças (intolerâncias ou reações a alimentos deteriorados) e por isso é muito importante consultar um especialista que poderá, conforme o caso, solicitar exames específicos para auxiliar o diagnóstico.


Mônica alerta ainda para o perigo do uso de medicação sem uma consulta médica prévia. “O uso de medicamentos para tratar uma infecção gastrointestinal, em casos de alergia alimentar em crianças, diminui as enzimas responsáveis pela absorção do alimento. Isso reduz os mecanismos fisiológicos de resposta imunológica, que passa a não acontecer de forma equilibrada”.


A principal diferença entre alergia e intolerância alimentar é o tipo de resposta que o organismo tem quando entra em contato com o alimento. Na alergia há uma resposta imunológica imediata, isto é, o organismo cria anticorpos como se o alimento fosse um agente agressor e por isso os sintomas são generalizados. Já na intolerância alimentar o alimento não é digerido corretamente e, dessa forma, os sintomas surgem principalmente no sistema gastrointestinal.


“A intolerância alimentar é muito mais frequente e pode afetar qualquer indivíduo sem história familiar, enquanto a alergia alimentar geralmente é um problema mais raro, quase sempre hereditário, surgindo em vários membros da mesma família”, revela Mônica.


As alergias são mais comuns na infância, enquanto que a intolerância geralmente se manifesta em crianças maiores e adultos. Por exemplo, enquanto o intolerante pode consumir derivados de leite em quantidades pequenas sem reações, o alérgico a leite deve ter sua dieta isenta de toda e qualquer proteína do alimento.


Alguns pacientes com diagnóstico de alergia alimentar podem desenvolver tolerância ao alimento envolvido, isto é, o alimento pode ser consumido sem manifestações alérgicas. Isso pode ocorrer em algumas crianças que apresentam alergia ao ovo e leite de vaca, mas essa tolerância só deve ser avaliada pelo médico especialista que a acompanha. Introduzir alimentos aos alérgicos sem avaliação do especialista pode causar reações graves.