Uma parte que dói!

A alergia alimentar é uma doença imunológica que pode causar um tremendo impacto fisiológico sem nenhum tratamento encontrado até hoje. Ocorre quando o sistema imunológico identifica erroneamente um alimento específico ou uma substância nos alimentos como algo prejudicial. Desta forma, ele ativa as células para liberar anticorpos, especificamente o conhecido como imunoglobulina E (IgE), para neutralizar o alimento ou substância alimentar “culpado” pela reação (o alérgeno).


Os anticorpos IgE detectam até mesmo a menor quantidade desse alimento e sinalizam ao sistema imunológico para liberar uma substância química chamada histamina, bem como outras substâncias químicas, na corrente sanguínea. A alergia alimentar é frequentemente acompanhada por outras doenças alérgicas, incluindo dermatite atópica (eczema) e asma.

A alergia alimentar requer uma gestão de tempo considerável e vigilância constante, o que afeta a qualidade de vida da criança. A alergia alimentar pode restringir as interações sociais. Restrições excessivas ou de longa data podem resultar em maior isolamento social e sentimentos associados de depressão ou ansiedade. Portanto, é importante fornecer o melhor ambiente possível para a criança alérgica a alimentos para promover esses estágios de desenvolvimento. As alergias alimentares afetam todos na família. Em pesquisas com pais ou cuidadores de crianças com alergia alimentar, 60 por cento disseram que a alergia alimentar afeta o preparo das refeições, atividades sociais familiares, como brincar na casa de amigos, festas do pijama, festas de aniversário e excursões escolares e ainda aumenta significativamente o nível de estresse.

Atualmente, não existe nenhum tratamento para a alergia alimentar, apenas a prevenção de alérgenos e o gerenciamento de reações causadas pela exposição a eles. Além dos efeitos psicológicos do risco de morte e do estigma de evitar alimentos comuns, a alergia alimentar pode criar impactos nutricionais na saúde, no desenvolvimento e no estilo de vida das crianças. Assim, a alergia alimentar surgiu como um importante problema de saúde pública com base em sua prevalência crescente, persistência ao longo da vida para aqueles que são sensibilizados aos alimentos com maior probabilidade de causar reações graves (laticínios, ovo, amendoim, nozes, soja, trigo, peixe e mariscos), o potencial para reações fatais e a falta de tratamento preventivo além de evitar alimentos.

Como mãe de uma filha com alergia alimentar, sinto uma ansiedade constante em relação às refeições. Todos os dias, quando levo minha filha para fora de casa, estou ciente de que uma comida comum pode acabar com a vida dela. Como ela é tão jovem, sou uma mãe que nunca vai a uma festa de aniversário. Eu me encolho sempre que o telefone toca durante o dia e é da escola da minha filha. Ir a festas de aniversário exige preparação e planejamento logístico. Um itinerário é traçado com antecedência: restaurantes seguros são mapeados, alimentos seguros são comprados que se parecem com os que previmos que serão servidos e vários EpiPens são verificados e verificados novamente. Planejo cuidadosamente proporcionar à minha filha a infância mais normal, uma dose saudável e necessária de medo. Enquanto estiver sob meu teto, posso tomar medidas para mantê-la segura. Posso defender minha filha na escola, ensiná-la a ter o senso de responsabilidade de pedir a alguém para ler os rótulos dos ingredientes, transmitir a seriedade de sua alergia e garantir que ela carregue uma EpiPen o tempo todo.

Erros acontecem. A dura realidade revela que muitos produtos alimentícios são recolhidos todas as semanas. Alimentos rotulados como seguros podem, na verdade, conter o alérgeno mortal de seu filho. Também oro para que um dia minha filha não ceda ao impulso de experimentar um alimento apetitoso que pode não ser seguro. A adolescência normal está repleta de comportamentos de risco e estudos confirmam que adolescentes e adultos jovens com alergia alimentar correm o maior risco de anafilaxia induzida por alimentos fatais. A escolha dos alimentos nunca é mais preciosa do que a vida de uma criança, porque é impossível reformular as alergias alimentares fatais. Por favor, mostre compaixão e empatia para com crianças e adultos que sofrem de alergias alimentares.


Andréa Rodrigues.