Introdução alimentar para crianças com APLV




A Alimentação Complementar é o conjunto de todos os alimentos, além do leite materno, oferecidos a partir do 6º mês de vida do bebê, atendendo ao desenvolvimento digestório, imunológico e neurológico da criança.


O Consenso Brasileiro de Alergia recomenda que a introdução da alimentação complementar em crianças com alergia às proteínas do leite de vaca (APLV) deve seguir os mesmos princípios do preconizado para crianças sem alergia.


De acordo com a SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), a alimentação deve englobar os alimentos que são do hábito da família.


O pediatra e o nutricionista devem avaliar a qualidade da alimentação e valorizar os alimentos in natura e preparados em casa.


Então, é importante se informar para introduzir os alimentos com segurança, no momento certo e de forma correta. Se a criança criar bons hábitos nesta fase, será muito mais fácil mantê-los pelo resto da vida!


Dicas para o preparo da refeição da criança:


Os alimentos devem ser preparados de acordo com as mesmas recomendações de crianças sem alergias alimentares, tendo o cuidado de não utilizar ingredientes que contenham proteínas do leite de vaca.


Ø As refeições devem ser feitas, preferencialmente, com toda a família reunida.


Ø A alimentação deve ser preparada com alimentos variados e coloridos, devendo conter, pelo menos, um alimento de cada um dos seguintes grupos:


· Cereais, raízes ou tubérculos

· Leguminosas

· Carnes ou ovo

· Legumes e verduras

· Frutas


Ø A carne deve ser ingerida pela criança (e não apenas seu caldo), podendo ser picadinha ou desfiada.


Ø Usar apenas temperos naturais, como alho, cebola, tomate, pimentão, cheiro-verde, coentro, manjericão, limão, orégano, entre outros.


Ø A partir dos 12 meses, os alimentos podem ser oferecidos na mesma consistência em que são consumidos pela família.


Ø Não é necessário evitar alimentos potencialmente alergênicos, como o glúten e a soja, a menos que a criança também tenha alergia a estes.



A alimentação de crianças alérgicas deve ser oferecida seguindo as mesmas regras para crianças sem alergias alimentares:


Horários

Devem ser regulares, evitando-se “beliscos” entre as refeições.


Responsabilidade

Deve ser compartilhada entre os responsáveis, e os mesmos que devem decidir o que e onde a criança deve comer.


Refeições em família

Um ótimo momento para compartilhar experiências e aprendizados.


Utensílios

Devem ser de fácil manuseio e adequados ao tamanho da boca da criança.


Distrações

Telas durante as refeições podem prejudicar o consumo de alimentos importantes, como frutas, legumes e verduras.


Água

É importante oferecer água potável nos intervalos das refeições.


--


Os alimentos que devem ser evitados são, também, aqueles restritos às crianças sem alergia:


Sal

Deve ser adicionado em pequenas quantidades para não prejudicar o paladar da criança.


Açúcar

Deve ser evitado até os 2 anos de idade e limitado a partir dessa idade. Quanto menos melhor!


Alimentos ricos em gorduras, sódio e açúcar

O consumo excessivo de sódio, gordura e açúcar está associado ao risco de aparecimento de doenças crônicas, como diabetes e pressão alta.


Bebidas açucaradas

Não devem ser oferecidas em substituição à agua para não prejudicar o seu consumo.


--


Assim como as crianças saudáveis, as alérgicas também podem apresentar seletividade alimentar, recusando ingerir alguns alimentos. Mas o importante é que seja oferecido com a maior diversidade de produtos naturais possível, tendo todos os cuidados com os alérgeno mais comuns e com os traços de leite presentes nos produtos industrializados.



Fonte: alergiaaoleitedevaca.com.br